AFONSO LOPES VIEIRA: o Tradutor de Kropotkine – por Cecília Barreira

O Poeta de País Lilás, Desterro Azul continua por reanalisar, apesar do brilhante ensaio que Aquilino lhe dedica in Camões. Camilo, Eça e Alguns Mais e dos lúcidos esclarecimentos de David Mourão Ferreira in Lâmpadas no Escuro – de Herculano a Torga.'(1) Deparamo-nos, desde logo, com um singular percurso político-ideológico que, tendo-se iniciado no lirismo …

MIGUEL DE UNAMUNO: ALGUMAS IDEIAS por Cecília Barreira

“Oliveira Martins era un pesimista, es decir, era un português. EI português es constitucionalmente pesimista; él mismo nos lo repite. No es acaso la flor amarga de este espírito la poesia desesperada y dura de Antero de Quental? Encontró acaso alguna vez lá desesperación acentos más trágicos, más hondamente poéticos en su rígida armazon meta …

ANTERO DE QUENTAL EM VILA DO CONDE – por Cecília Barreira

«Uma classe nunca pode ser um apóstolo: é simplesmente um elemento, uma força, cujo acto é determinado pela energia inicial. O que dará a democracia? Quem poderá dizê-lo. É o escópulo onde até hoje têm naufragado todas as sociedades.»          Carta a Fernando Leal, 8 de Fevereiro de 1888.

EDIÇÃO Nº 3 – DE FEVEREIRO 2018

CAPA:  “O Friso de Beethoven”, de Gustav Klimt DIRECÇÃO: Júlia Moura Lopes CONSELHO EDITORIAL: Ângela Pieruccini, Danyel Guerra, David Paiva Fernandes, Júlia Moura Lopes e Marilene Cahon. COLABORADORES DE FEVEREIRO DE 2018: Angela Pieruccini, Beatriz Bajo, Cecília Barreira, cCésar Santos Silva, Cláudia Isabel Vila Molina, Claudio B. Carlos, Danyel Guerra, Diogo Pacheco de Amorim, Enrique …

Índice de Autores

Alberte Momán Noval Amélia Azevedo Ana Almeida Santos Beatriz Bajo Carlos Barbarito Cecília Barreira César Santos Silva César Alexandre Afonso Cláudia Isabel Vila Molina Claudio B. Carlos Claudio Willer Cristina Nobre Soares Danyel Guerra Diniz Cortes Diogo Pacheco de Amorim Giselda Leirner Enrique Santiago Ester Fridman Fellipe Lee Fernando Corona Fernando Martinho Guimarães Floriano Martins …