MULHERES NAS RUAS DO PORTO (IV) por César Santos Silva

Albertina de Sousa Paraíso (Rua de)

Início – António de Sousa e Silva (Rua de)
Fim – Cul de Sac
Consagrada desde - 2010
Freguesia de: Paranhos

 

Albertina Sousa Paraíso nasceu na cidade do Porto, em 11 de Janeiro de 1864.

Filha da classe média da cidade, seu pai era director bancário e sua mãe directora de um colégio.

Desde cedo se envolveu na política, participa na Revolta do 31 de Janeiro, mas a sua acção no Porto é mais sentida no que respeita à criação de revistas femininas.

Vemo-la a dirigir o Almanaque das Senhoras Portuguesas e Brasileiras, 1885-1887, e o Almanaque das Senhoras Portuenses, 1889, sentindo que o fulgor revolucionário do Porto estava a quebrar-se decide ir para Lisboa continuar o seu sonho da criação de uma Pátria mais justa para as mulheres.

Na capital vai dirigir uma página “Jornal da Mulher”, no jornal “ O Mundo”. Lança a revista “ Alma Feminina” e aqui vai ter a colaboração de vultos do republicanismo, como Guerra Junqueiro, João Chagas e Teófilo Braga.

Mulher empenhadíssima, vamos vê-la a participar nas manifestações contra a guerra que se adivinhava na Europa e corresponde-se com Ana de Castro Osório a grande referência do feminismo português da época.

Mulher sensível e culta, Albertina Paraíso escreve poesias em algumas publicações e ainda jovem cursou Belas Artes no Porto.

Graças a isso, divulga diversas pintoras em todas as revistas que vai dirigindo e publicando ao longo da sua vida.

Faleceu em Lisboa, no dia 25 de Fevereiro de 1954.

A artéria que a homenageia é uma via recentemente aberta na freguesia de Paranhos.

♣♣♣

César Santos Silva. Bacharel em História. Formador, professor de História do Porto, Portugal e Contemporânea do Mundo em várias Universidades Seniores, tais como Sindicato Professores da Zona Norte, Fundação Inatel entre outras.

Investigador de temas relacionados com a História do Porto e a História do Mundo, colaborador pontual dos “ Serões da Bonjoia”, conferencista habitual da Biblioteca Municipal Almeida Garrett, Fundação Inatel, Palacete Visconde Balsemão. Autor de vários livros dedicados à cidade do Porto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *