TRÊS TEMPOS POÉTICOS – de Henrique Miguel Carvalho

by Plato Terentev

CONVIDADO

ao cair
            do astro maior
aguardo,
             felicitações
             remotas

que pelo
            nome
nunca o dizem,
             até que
             — é sempre assim,
um estranho
             de maneiras
             inconcretas

se apresenta,
             alto incerto,
aos gritos,
exigindo
           a servitude
           alimentar

e lá vão
            o vinho,
o pão sacramental,
             e as desculpas
             habituais

— mas a dispensa
           estava
vazia,
cheia de recortes
            de jornal,
            e pó acumulado

e o televisor,
             há muito avariado,
com imagens
            sem corpo,
sem lado,
            dos anos de antes
            do apogeu

quando
             os azulejos
de cozinha
             eram ainda
             os de antigamente

e o café
             matinal
era sorvido
            em abstracto
depois de um sono
            reaprendido
            ao dormir

quando a luz jovem
             e clara
preenchia
             todos os recantos
             da casa

— mas agora
           que dizer,
sem querer
            ser indelicado,
sem querer abrir
             o livro sobre
             notas já rescritas

talvez
            que o mundo
mudou,
ou que um
             alteração
             atmosférica

tornou
             íntima, todas
as tardes
mais densas,
             mais difíceis
             de suportar

até porque
             é assim
que
             os gatos miam,
e as pombas,
             já ausentes,
            divagam ao luar

— mas não,
apenas
             os números
em sequência,
              num florir
lógico à dedução,
            confirmam
            o que já se sabe

—  que os convivas
           estão aí
para contentar,
            e que Cristo,
o filho,
            dizem eles,
            nunca irá voltar

♣♣♣

VIAGEM

nada faças
             que imprompto
dê o alerta,
             mas antes que
             os teus pés

caminhem
            o trilho da nuvem,
para além
de qualquer
             anúncio gravítico
             que marque

a terra,
            ainda que molhada,
ainda que
            predisposta
à pintura
            dos teus passos
            na paisagem

— abstém-te
           como aquele morto
que, morto
             por não haver
             nascido

nada carece
             à memória,
ou ao movimento
             ambulatório
             das portas

— sê da ave
            unicamente
a asa,
            que sustenta
o ar na trepidação
            do fôlego
            desapoiado

pela presença
            do princípio,
            para o qual
todas
             as razões
             são acessórias

e os nomes
             divagação
             elíptica,
sem nada a dizer
             sobre a forma
             das letras

— sobe acima
            da montanha,
não para olhar
             a paisagem,
mas para negar
              ao mundo a visão
              de si mesmo

quando
             o sol poente
é abaixo
da nossa altura,
             e as nódoas
             da noite

são toalhas sujas,
             indecentes,
à espera
de um trabalho
             imperfeito
             de lavandaria

e as estrelas
              as purpurinas,
enfeites
             de uma festa
infantil,
            de que a lua
            é o bolo de aniversário

— recusa,
            calmo e sábio,
qualquer fruto
            e alimento,
qualquer
            ingestão que leve
ao percurso
           da natureza
           pelo ventre

venal cloaca,
            descendente,
tal que
            de ti
nada se infecte
             ao universo,
             e puro possas

por incólume
           boca,
exibir
do verbo,
             intransitivo,
             o vago, final sorriso

— sê suave
            e liberto, liso,
observando
a visão
             num ecrã
a n-dimensões,
            pela abertura
            do olho monumental

do ponto donde,
             rodeado
por solene
             escuridão,
flutuante,
             a brisa marítima
é a única
             propriedade
             do céu

e os actores
             figurantes
em segunda-mão,
envergando
            fantasias
            transparentes

e sê a flor
             antes da semente,
nega-te
             divino,
como as pétalas
            de um incêndio
             antes da luz

—  por isso,
           nada inquietes
à sentinela,
nem incites
             o furtivo
             caçador

ao disparo
             ocasional,
confundindo
             o alvo
             com a certeza

e talvez
            passes
pelo aqui
             sem os deslumbres
             da meia-noite

ou o eflúvio
             de uma nota
mal cantada,
assim
            descobrindo-te
            raiz incomestível

descobrindo-te
             ágil aspereza,
e Deus
             enganando-se
             eternamente

            ♣♣♣

TEMPO

e o anjo
            segurava
a mão,
            fumo
sobre a terra,
             ou as alegrias
             do passado

num naipe
            de trunfo
e paus,
             por nomes
             estendidos

e belos,
             nomes assoprados
entre
             as asas,
que são
             a melodia
             do céu

e olhava,
            surpreso assim,
para o reparo
            daqueles pés,
interrogando
           o  atar
           do cordel
—  os que partiram
            demoram-se
ainda,
            enquanto
            os que estão

são de partida
             por
antecipação
             a um depois,
             contido prévia

hora
            consumada,
o momento
            como se
no princípio,
            exterior
            a tudo e a Deus

— é esse
             o significado
da música,
             da qual
a poesia
             é o imperfeito
             desejo

o compasso
             e o ritmo,
preparado
            oração
            e suspiro

preparado
            vestido
lançado
             às hesitações
             do vento

solicitando,
             negação
             que se repete,
a nudez
            total
           do corpo

— e é esse
            o significado
da voz,
alma eléctrica
             ao buscar
             do apagar à luz

em
            palavras
que piscam
a cada
             esvanecer
             ténue do mundo

numa excitação
             de malas
feitas,
             e última vistoria
à casa,
              na garantia
              de que é vazia

— e, com os dedos
            postos
à face,
              olhar em curva —
tudo  é
            completo,
            ou chuva parecida

com a calma,
            água
resvalando
             fria
             nas costas

sobre
             omoplatas
doridas
que
            despontam
            o círculo final

♦♦♦

Henrique Miguel Carvalho nasceu em Lisboa em 1970. É formado em filosofia e os seus interesses, muito variados, incluem, a par da literatura, a música, a arquitetura, a matemática e a história do pensamento em geral. Publicou alguns artigos de natureza académica, mas nunca poesia. Gosta de fazer longas caminhas pelo campo, onde vai à procura de inspiração.
henrique_mm_carvalho@yahoo.com

%d bloggers like this: