A CHUVA QUE DERRETE O MÁRMORE ATÉ AO CADÁVER – por Alberte Momán Noval

                               
O poema
como um orgasmo após outro
numa produção fordista.

Continuar a ler “A CHUVA QUE DERRETE O MÁRMORE ATÉ AO CADÁVER – por Alberte Momán Noval”