NO CENTENÁRIO DE MÁRIO CESARINY – por A. Sarmento Manso

O Real e Sobre Real

A propósito do centenário de Mário Cesariny

Em 2023 celebram-se os 100 anos de nascimento de Mário Cesariny de Vasconcelos (1923-2023). As impressões que se seguem não pretendem apresentar a personagem de Cesariny nem destacar os feitos e defeitos do movimento surrealista entre nós. Um e outro trabalho está amplamente documentado nos vários estudos sobre o movimento surrealista português e suas personagens maiores da autoria de António Cândido Franco.

Andava um dia a visitar um museu em Espanha que tinha expostos diversos trabalhos de Salvador Dali, alguns dos mais importantes e de maior destaque, quando um amigo me interpelou sobre o porquê do meu gosto por uma pintura de bonecos deformados? Sabendo eu do gosto dele pelo cubismo, contrapus que era o mesmo que ele tinha pelas mesmas figuras distorcidas do cubismo, nomeadamente Picasso. Disse que não: Picasso distorce coisas, figuras e pessoas que realmente existem; enquanto que os surrealistas criam formas a partir das deformações que provocam naquilo que recriam, e como lhes acrescentam muitos adereços, dizia o meu amigo, acabam por vulgarizar a obra de arte, tal qual as crianças que vão originando coisas banais, acrescentando riscos a riscos, cores a cores, sobrepondo uma quantidade de matérias de forma indiferente na mesma composição. Surrealisticamente lembrei ao meu amigo que o dramaturgo Henrik Ibsen (1828-1906) tinha, ainda no século XIX, escrito, contra a corrente literária, a peça Uma casa de bonecas (1879) para contestar a luta dos indivíduos ante os constrangimentos das convenções da sociedade. A sua dramaturgia sob o signo da bonecada ou do disfarce, foi essencial para uma nova abordagem da arte em causa. Assim sendo, as bonecas e os bonecos, vistos na perspetiva da criação, seja ela qual for, tem sido propícia aos movimentos de contra cultura artísticos e literários de todos os tempos e lugares.

Mas afinal o que é o Surrealismo? A definição de surreal em diversas aceções que consta no Dicionário Houaiss é a seguinte: “1 que denota estranheza; transgressão da verdade sensível, da razão, ou que pertence ao domínio do sonho, da imaginação, do absurdo. 2 aquilo que se encontra para além do real. 3 o que resulta da interpretação da realidade à luz do sonho e dos processos psíquicos do inconsciente”. Seja qual for a atribuição é algo que se sobrepõe ao real e hoje, o surrealismo comummente designa o movimento artístico e literário nascido em Paris em 1924 que tem como teórico principal André Breton (1896-1966) fortemente influenciado pela psicanálise freudiana com a qual tinha tomado contacto aquando da sua formação em medicina, mesmo que não deixe de a censurar por circunscrever a realidade às manifestações do sexo e do instinto. Na edição mais recente em português dos Manifestos do Surrealismo (Letra Livre, 2016) André Breton, no manifesto de 1924 que o fundou, ante as insuficiências das explicitações anteriores, define-o assim: “automatismo psíquico puro, pelo qual se pretende exprimir, verbalmente ou por escrito, ou de qualquer outra maneira, o funcionamento real do pensamento. Ditado do pensamento, na ausência de qualquer vigilância exercida pela razão, para além de qualquer preocupação estética ou moral”. Pouco interessará saber se é possível uma vida surrealmente vivida nas condições enunciadas. Naturalmente que enquanto o indivíduo for um ser racional e social, e nunca deixará de o ser porque essa é a sua própria condição, os limites à sua ação, por parte do outro, da biologia e da sociedade, serão marcantes nas escolhas dos seus percursos. Como aconselhava o filósofo existencialista dinamarquês Soren Kierkegaard (1813-1855), mesmo que detestemos a vida societária, convém a todos os indivíduos que se mostrem de qualquer maneira à comunidade a que pertence, ou passando pelos cafés, ou visitando as exposições da moda e outros eventos sociais, ou simplesmente passear na rua em horas de maior afluência (na altura, os passeios ao longo da tarde eram verdadeiros acontecimentos sociais).

Outros sentimentos prenderam a minha atenção na ligação entre o surrealismo e a psicanálise. Há alguns anos vi um dos muitos documentários sobre Salvador Dali, já num estado de degradação física acentuada, e creio que sentado em uma cadeira de rodas, desatou em copiosas lágrimas porque o juízo que fazia era de que os génios, grupo em que se auto incluía, não deviam morrer porque eram espíritos do bem; ao contrário, as quimeras do mal escusavam de ter nascido e poupariam o mundo ao sofrimento inusitado. Mas na verdade os génios do bem só se destacam porque há os do mal e vice versa. Outra sensação prende-se com génio agora evocado, Mário Cesariny, que estremecia de pavor quando pensava que o seu corpo, depois de morto, pudesse ser enterrado e servisse de pasto aos mais variados vermes e parasitas que o haveriam, como é normal aos corpos que são enterrados, de o consumir. Estas imagens arriscariam ser identificadoras do cadáver esquisito, esse jogo de inversão da lógica do pensar de cariz racional, que animava os projetos surrealistas pois na altura que tive contacto com os depoimentos, ambas as personagens tinham a imagem aproximada do cadáver e muito longe das gentis proporções de uma mocidade vigorosa que já tinha ficado para trás. Quer Breton quando lançou as bases do Movimento, quer Dali e Cesariny quando assim se expressaram, deveriam conhecer o conto de F. Scott Fitzgerald O estranho caso de Benjamin Button (1922) que invertendo exatamente a lógica da vida e da morte, joga com o real e o surreal mostrando que no meio, está a certeza da verdade procurada, dos que vêm da infância para a velhice, dos que retornam da velhice para a infância. No caso de Cesariny, mesmo podendo optar pela cremação, sempre lhe pareceu mais pacífico que o seu corpo morto ficasse na sua inteireza em um lugar qualquer imune aos vermes e longe do fogo que reduziria a pó e cinzas até os seus rijos ossos. Estes depoimentos lembraram-me, ainda, a composição plástica de contornos realistas de Grant Wood (1891-1942) intitulada American Gothic (1930). O quadro retrata um casal rural americano, pela meia idade, mas pela aparência, pelo traje e ar sorumbático de ambos, mais se parecem com cadáveres adiados do que com indivíduos em plena vida. Substituindo a forquilha empunhada pela figura masculina pela célebre gadanha que instintivamente representa a morte, passamos do cadáver esquisito ou adiado, ao cadáver em vida do evocado Dali e Cesariny.

Grant Wood, American Gothic (1930)

A Portugal, o surrealismo enquanto movimento, ainda que inconsistente, tendo em Cesariny o seu expoente máximo, até pela diversidade da sua ação criativa, poesia, pintura, tradução, ensaio, surge em 1947, 23 anos após a publicação do manifesto de André Breton, a uma mesa do café lisboeta Mexicana. Com ele estiveram Alexandre O’Neill, José Augusto França, Fernando Azevedo, Costa Pinto, António Pedro e Moniz Pereira. Alguns outros houve como Artur Cruzeiro Seixas, António Maria Lisboa e Mário-Henrique Leiria que se lhe juntaram. A insipiência ou insignificância do grupo surrealista português foi tal que o único evento público participado pelos seus fundadores, aconteceu em Lisboa no ano de 1949. Como é sabido uma boa parte daqueles que fundaram e aderiram ao Movimento, são dissidentes do movimento neorrealista de vincados interesses políticos, que sob a cartilha do marxismo leninismo em prol dessa utopia há séculos anunciada e perseguida aqui e ali, quis por a criação ao serviço do povo para o guindar a um nível cultural promotor do bem estar pessoal e coletivo, espécie de alimento para a alma, que acompanharia a melhoria das duras condições de vida. Era preciso repousar o corpo do trabalho cansativo e repetitivo, da obrigação de ter de trabalhar para viver, mesmo que a vida nos tenha sido dada de graça e nesses momentos de repouso, iluminar a alma ou o espírito não com o discurso do temor e tremor que as religiões alimentam, mas com a expressão dos sentimentos individuais mais profundos: literatura, poesia, cinema, música artes cénicas e plásticas. Mesmo que a experiência não tenha ganho raízes, perdido o grupo, salvou-se a demanda individual dos seus elementos, zangados uns com os outros quase sempre, e consigo mesmo de vez em quando, em torno do propósito surrealista. Outras quezílias houve com gente que andou nas proximidades como seja, para citar as mais relevantes, a que tem a ver com um dos primeiros editores de Cesariny, o escritor maldito Luiz Pacheco (a expressão poetas malditos foi cunhada por Paul Verlaine em 1884), a lembrar Rimbaud e Baudelaire, e, não se conhecendo acrimónia notável entre Cesariny e Natália Correia, depois de terem estado em projetos comuns como a Antologia de poesia portuguesa erótica e satírica (1966) da responsabilidade da poeta açoriana, não parece que Cesariny fosse um habitual freguês nas mesas do Botequim, esse espaço de liberdade e transgressão, que Natália egoicamente concebeu e alimentou numa das belas colinas da encantadora Lisboa.

Mas sim. Cesariny é de facto e de direito a figura maior do surrealismo português, ao lado de Cruzeiro Seixas, que viveram desentendidos quase toda a vida. Outra particularidade é que a obra escrita de Cesariny, nomeadamente a poesia, disponível em edição da Assírio & Alvim, fá-lo destacar no panorama criativo português, relativizando a sua obra plástica. Ao contrário Cruzeiro Seixas vê realçada a sua obra plástica, e a criação poética repousa em lugar marginal. Felizmente o acervo mais relevante da obra de ambos está patente na Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão, museu do Surrealismo.

Termino escolhendo deixar impresso um dos seus poemas mais conhecidos incluído em Pena capital (1957), porque tem a ver com o corpo e o espaço, a sensualidade e a sexualidade, ou apenas o desejo místico, a experiência quase religiosa de ligação, de fusão, de inclusão do que vivendo à parte, anseia pelo todo de que se sente distante, porque o imaterial não é possível ser experienciado sem o prévio contacto com o material:     

Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto    tão perto    tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura

Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco

♦♦♦

A. Sarmento Manso, nasceu nos idos de 1964, pelo outono, ao cair das folhas, na aldeia transmontana de Izeda. Ao longo de mais de meio século de existência tem-se dedicado à aprendizagem de pequenas coisas, do lugar que nos pode caber no mundo e de como a beleza nos haverá de tranquilizar.

NO CENTENÁRIO DE NATÁLIA CORREIA – por A. Sarmento Manso

PORQUE APRENDO E ENSINO, PORQUE ENSINO E APRENDO… NO CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE NATÁLIA CORREIA

 

Natália Correia (1923-2023) deixou uma obra poético-literária de qualidade acima da média, ramo da criatividade a que juntou outros como seja a procura dos marcos e das marcas que estão na origem deste retângulo que dá por nome Portugal. Para além de ir lendo a sua obra poética e literária, interessei-me pelo seu pensamento em torno dos arquétipos, das raízes da Nação, e estive por uma ou duas vezes na sua presença, pelos anos de 1980, observando o seu peculiar modo de estar e a rebeldia que os seus atos e palavras encarnavam e como incendiavam os auditórios. Continuar a ler “NO CENTENÁRIO DE NATÁLIA CORREIA – por A. Sarmento Manso”

OS INTELECTUAIS- por A. Sarmento Manso

 

Cursos e percursos dos (pseudo)intelectuais

O que é e como se faz um intelectual? Os dicionários da língua portuguesa com mais ou menos palavras apresentam o intelectual como alguém que trabalha em actividades que requerem o intelecto: um indivíduo que mostra interesse pelas coisas culturais, literatura, poesia, cinema, artes plásticas, teatro… O intelectual quase sempre se (auto)apresenta como um ser à parte do vulgo. Faz questão de se exibir de forma andrajosa e de frequentar os lugares que se acredita ressumarem de cultura onde se faz logo notado. Passeia-se nas exposições que estão na moda, frequenta os bares mais concorridos, anda com os livros acabados de publicar. Absorvido no mundo da cultura, facilmente esquece a multidão que o rodeia e os problemas que a preocupam. O intelectual pelas nossas terras tende a imitar quer no visual quer no comportamento aqueles que escolheu como seus mentores e porque teve a sorte e a felicidade de estudar e frequentar outros países, diz mal do povo onde nasceu, na exata medida que rende inteira vassalagem ao que de fora lhe vai chegando ou ao que lá fora vai buscando. Continuar a ler “OS INTELECTUAIS- por A. Sarmento Manso”

RSS20
Follow by Email0
Facebook500