A PALAVRA EM SEU DESERTO – por Tito Leite

Seis poemas do livro

A PALAVRA EM SEU DESERTO

O OUTRO

Eu canto a ovelha
e o lobo,
a serpente que engole
a própria cauda
e o fim sábio
do poeta tolo.

Eu canto o limo
e o mar aberto,
a madrugada
dos poetas e o tiro seco
dos filósofos. Continuar a ler “A PALAVRA EM SEU DESERTO – por Tito Leite”

POEMAS – de Tito Leite

FRESTA

Moro num deserto situado
na palavra.

São tantos nomes no remanso
de uma tarde
e eu vi uma borboleta
na sombra de uma granada.

Grafei que o significante
de uma nuvem
é o seu presságio
e depois da chuva um poema
fecunda a sangria dos sábios.

Bati nos ombros de uma montanha
e acenei: no sangue do poeta
tudo é talhante,
nada é suave. Continuar a ler “POEMAS – de Tito Leite”

TRÊS POEMAS DE Tito Leite

Foto de zsófia fehér

URGÊNCIA

Procuro uma palavra sobre a matéria
pueril dessas tardes.
Uma palavra escondida em alguma
boca seca de detalhes.

Falta mãos para colher as flores
de março e o mormaço dos dias
atuais espanta todas as borboletas. Continuar a ler “TRÊS POEMAS DE Tito Leite”

A POESIA DE Tito Leite

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CONFLITOS

Eu habitava comigo
como se a sonoridade do meu nome
fosse um origami
na aurora de cedro.

Continuar a ler “A POESIA DE Tito Leite”