SONHOS PESCADOS – Por Marcos Fernando Kirst

«Linha d`Água» (s/d), Mário Cesariny —óleo sobre madeira

Na dobra da onda
que sacode a praia
trazendo avalanche
de água e de sal;
ali pesco o sonho
de vida sereia,
castelo na areia,
o mar meu quintal.

Na sombra forjada
do olho cerrado
chamando a visita
do Lorde Morfeus;
ali teço sonhos
de vida sonhada,
à qual pago nada,
e crio outros eus.

Desperto, acordado,
vigiando ou sonado,
atraio os dormires
à vida vivida
e tenho então sempre
um sonho pescado
andando ao meu lado:
união dividida.

♦♦♦

Marcos Fernando Kirst é jornalista e escritor, residente na cidade de Caxias do Sul (RS). É colunista do jornal “Pioneiro”, onde publica crônicas semanais literárias. Foi Patrono da Feira do Livro de Caxias do Sul em 2010. Em 2011, ganhou o Concurso Anual Literário Municipal de Caxias do Sul com a obra poética “Em Silêncios”. Integra a Academia Caxiense de Letras desde 2012, onde ocupa a cadeira número 11. Ganhador do Prêmio Açorianos de Criação  Literária 2014 com a novela “A Sombra de Clara”, também laureada com o Prêmio Vivita Cartier, em Caxias do Sul, em 2016. Já lançou 21 livros.

 

CONSERTO NO TELHADO – por Marcos Fernando Kirst

 

@JuliaML

Sabia que já não tinha mais idade para aquele tipo de coisa, mas mesmo assim tirou as teias de aranha da escada de madeira e encostou-a na parede do lado de fora da casa caiada, pronto para escalá-la rumo ao telhado, onde a antena parabólica aguardava por não mais do que uma pequena torcida para devolver a qualidade da imagem da televisão, pois que o jogo começaria dentro de poucos minutos. Continuar a ler “CONSERTO NO TELHADO – por Marcos Fernando Kirst”

UMA APROXIMAÇÃO A BORGES – por Marcos Fernando Kirst

Advogo ser lícito detectar e afirmar que o escritor argentino Jorge Luís Borges (1899–1986) professa três “personas literárias”: o Borges poeta, o Borges contista e o Borges ensaísta/conferencista/professor. Muitas vezes, em vários de seus textos, essas personas se misturam, quase sempre propositadamente, dando à luz aquilo que passamos a denominar – quem sabe aqui, ilicitamente – como “textos borgianos”. Continuar a ler “UMA APROXIMAÇÃO A BORGES – por Marcos Fernando Kirst”