TRÊS POEMAS DE Marília Miranda Lopes

Terça-feira: Mercúrio Este tempo invernoso omite claridades nos teus olhos vivos: palavras que rebentam nas bolhas que raiam dos anéis das íris. Não precisas, pois, de suster a respiração nesse augúrio: a mensagem vem de Mercúrio, segue já na corrente, a ver as margens e o mar ao longe: aguarelas ternas que flambam o verbo …

VITREA CASA – por Marília Miranda Lopes

                       Imagem @ José Boldt Servia para dormir, para comer, para conviver, para amar, para sonhar, mas havia nela um monstro que tinha um olho esquisito no meio da testa. Este ser sobrenatural estava destinado a habitar a casa, à qual se apoderara por configuração de terrenos.

Índice de Autores

Alberte Momán Noval Alberto Cecereu Alice Rahon A. Dasilva O. Amélia Azevedo Ana Almeida Santos Ana Matos André Breton Anna Merij António Adriano de Medeiros (AAM), António Pedro Ribeiro Arnost Budik Artur Santos Beatriz Bajo Bernardino Guimarães Carlos Barbarito Carlos Clara Gomes Castro Guedes (Jorge) Caroline Shmidt Cecília Barreira César Alexandre Afonso César Santos Silva …