EXCERTO DE “Barata, minha barata” – de Alberte Momán Noval

Ninfa Parte I  «A luz não é mais do que um remorso. Construíramos um mausoléu imaterial para os nossos mártires sobre uma ideia que nunca foi.» A barata jantava os restos de um animal morto em concorrência com outras, um número indeterminado que chegava com atraso ao festim.

OCIDENTE – por Alberte Momán Noval

Ria, com o cotovelo sobre o balcão. Falava para eles contando uma história de que foram também partícipes. Apanhava o ar que enchia os pul­mões sem aguardar a intervenção deles que deixavam os risos para o final, quando ela decidisse que a ane­dota chegara ao fim.

Índice de Autores

Alberte Momán Noval Alberto Cecereu Alice Rahon A. Dasilva O. Amélia Azevedo Ana Almeida Santos Ana Matos André Breton Anna Merij António Adriano de Medeiros (AAM), Arnost Budik Artur Santos Beatriz Bajo Bernardino Guimarães Carlos Barbarito Caroline Shmidt Cecília Barreira César Santos Silva César Alexandre Afonso César Moro Cláudia Isabel Vila Molina Claudio B. Carlos …